Evidencias de la relación entre planeamiento financiero y propensión al endeudamiento personal

Autores/as

  • Ronaldo Rodrigues Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Ademir Clemente Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Carlos Otávio Senff Universidade do Contestado (UnC)
  • Otávio Augusto de Paula da Silva Universidade Federal do Paraná (UFPR)

DOI:

https://doi.org/10.52292/j.eca.2018.1390

Palabras clave:

planificación financiera, endeudamiento, materialismo

Resumen

La planificación financiera está relacionada con el desarrollo de una estrategia sistemática para que las personas alcancen sus objetivos. La educación financiera pasa a tener un papel importante en el conocimiento de herramientas para el control de los gastos en la toma de decisión, pudiendo auxiliar en el proceso anterior al endeudamiento. El objetivo de este artículo es demostrar la relación entre planificación financiera y propensión al endeudamiento. Específicamente busca identificar herramientas de planificación financiera, verificar la relación de las herramientas con la propensión a endeudarse, determinar factores conductuales para la propensión a prestar. Para el análisis cuantitativo, se utilizó la técnica estadística de análisis factorial y, a continuación, regresión múltiple. La muestra incluyó a personas económicamente activas residentes en un municipio de la meseta norte seleccionado para accesibilidad. El análisis de los datos no proporcionó evidencias de la relación entre planificación financiera y endeudamiento. Sin embargo, se encontraron otras relaciones. Es posible encontrar una relación significativa entre el nivel de quiebra y el nivel de felicidad. La quiebra es el momento en que las divisiones exceden el valor de los activos y la felicidad de una persona como una orientación enfatizada por la posesión de bienes y por la progresión social.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Ronaldo Rodrigues, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Mestrando em Contabilidade em andamento na Universidade Federal do Paraná - Av. Prefeito Lothário Meissner, 632 - Jardim Botânico, Curitiba - PR, 80210-170

Ademir Clemente, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Pós-doutor em engenharia de transportes pela COPPE/Universidade Federal do Rio de Janeiro e pela University of London

Professor Associado do Departamento de Contabilidade da Universidade Federal do Paraná - Av. Prefeito Lothário Meissner, 632 - Jardim Botânico, Curitiba - PR, 80210-170

Carlos Otávio Senff, Universidade do Contestado (UnC)

Doutor em Administração pela PUC – PR

Professor Titular da Universidade do Contestado - Av. Nereu Ramos, 1071 - Jardim do Moinho, Mafra - SC, 89300-000

Otávio Augusto de Paula da Silva, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Mestrando em Contabilidade em andamento na Universidade Federal do Paraná - Av. Prefeito Lothário Meissner, 632 - Jardim Botânico, Curitiba - PR, 80210-170

 

 

Citas

Referências

Altfest, L. (2004). Personal financial planning: Origins, developments and a plan for future direction. The American Economist, 48(2), 53-60.

Camargo, B. F., Braun, C. T., Rubert, I. V. G., & Treter, J. (2015). CONTABILIDADE MENTAL E FINANÇAS COMPORTAMENTAIS: Estudo com colaboradores de uma empresa cerealistaDOI: http://dx. doi. org/10.5892/ruvrd. v13i1. 2169. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 13(2), 65-91.

Carpers, Marciel Carlos; Flach, Rosiane Oswald. (2016) Determinante Da Propensão Ao Materialismo, Consumo Excessivo E Endividamento Do Consumidor Universitário. V - Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. Anais.

Claudino, L. P., Nunes, M. B., & Silva, F. D. (2009). Finanças pessoais: um estudo de caso com servidores públicos. Anais do SEMEAD-Seminários em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 12.

Dietrich, J., & Braido, G. M. (2016). Planejamento Financeiro Pessoal para Aposentadoria: Um Estudo com Alunos dos Cursos de Especialização de uma Instituição de Ensino Superior. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(2).

Estrada, R. J. S.; Luís, N. M.; Augustin, E. S. (2011). Planejamento estratégico pessoal. Revista de ciências da administração, v. 13, n. 30.

Fama, E. F. (1998). Market efficiency, long-term returns, and behavioral finance1. Journal of financial economics, 49(3), 283-306.

Fávero L. P. et al. (2009). Análise de Dados - modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Figueiredo, L. K. D. O. (2015). Finanças comportamentais e o endividamento financeiro emocional: uma análise da população da cidade de Jericó-PB. TCC (Graduação) - Curso de Administração, Universidade Estadual da Paraiba, Campina Grande, 2015.

Kahneman, D.; Tversky, (2007). A. Prospect Theory: An Analysis of Decision under Risk. Econometrica, v. 47, n. 2, p. 263–292.

Kinder, G., & Galvan, S. (2005). EVOKE™: A Life Planning Methodology for the Coming Revolution in Client Relationships. Journal of Financial Planning, 18(4).

Lang, L,R. (1993). Strategy for personal finance. New York: McGraw Hill.

Lima, Murillo Valverde. (2003). Um Estudo Sobre Finanças Comportamentais. RAE-Eletrônica, São Paulo, SP, v. 2, n. 1, Jan/ Jun.

Lucena, W. G. L., Fernandes, M. S. A., & da Silva, J. D. G. (2011). A contabilidade comportamental e os efeitos cognitivos no processo decisório: uma amostra com operadores da contabilidade. Revista Universo Contábil, 7(3), 41-58.

Maroco J. (2014). Análise Estatística com o SPSS Statistics. 6 ed. Pero Pinheiro: ReportNumber.

Marques, E.V.; Souza, A.C.A.; Pessoa, Y.B. (2014). Análise da Gestão Financeira Pessoal de Gestores e Micro Empreendedores do Município de Fortaleza-Ceará - A Luz Das Finanças Comportamentais. SIMPOI 2014. Anais... São Paulo.

Massaro, André. (2017). Como cuidar de suas finanças pessoais: CFA. Brasília, DF: Conselho Federal de Administração, 2015. 59 p. Disponível em: <http://www.cfa.org.br>. Acesso em: 10 mar. 2017.

Gama de Medeiros, F., Ferreira Nóbrega Diniz, I. S., da Costa, F. J., & Faria Pereira, R. D. C. (2015). Influência de estresse, materialismo e autoestima na compra compulsiva de adolescentes. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 19(2).

Mosca, A. (2009) Finanças Comportamentais. Elsevier.

Miotto, Ana Paula Santos Cruz;.(2013). Antecedentes e consequências da gestão das finanças domésticas: uma investigação com consumidores da classe. Tese (Doutorado) – Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Santos Reis, C. V., Shigueru Matsumoto, A., & Amaral Barreto, R. (2013). A propensão ao endividamento pessoal no Distrito Federal. Revista de Economia e Administração, 12(4).

Richins, M. L., & Dawson, S. (1992). A consumer values orientation for materialism and its measurement: Scale development and validation. Journal of consumer research, 19(3), 303-316.

Silva, L. F., Vieira, V. A., & da Silva Faia, V. (2012). Fatores determinantes do endividamento e da inadimplência associados à propensão de falência da pessoa física. Análise–Revista de Administração da PUCRS, 23(3), 207-221.

Santos, A. C.; Silva, M. (2014). Importancia do Planejamento Financeiro no Processo de Controle do Endividamento Familiar: Um Estudo de Caso nas Regiões Metropolitanas da Bahia e Sergipe. Revista Formadores: Vivencias e Estudos, v. 7, n. 2007, p. 5–17.

Santos, T.; Souza, M. J. B. (2014). Fatores que influenciam o endividamento de consumidores jovens. Revista Alcance, v. 21, n. 1 (Jan-Mar), p. 152-180.

Saito, A. T. (2008). Uma contribuição ao desenvolvimento da educação em finanças pessoais no Brasil. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Schimith, C. D. (2013). Modelo De Planejamento Financeiro Integrado Ao Planejamento Estratégico Pessoal. 2013. 99 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Silva, S. B. C. N. (2008). Alfabetização econômica, hábitos de consumo e atitudes em direção ao endividamento de estudantes de pedagogia. 2008. 318 f. 2008. Tese de Doutorado. Tese. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Trindade, L. L.; Righi, M. B. Vieira, K. M. (2012). De onde vem o endividamento femino? Construção e validação de um modelo PLS-PM. REAd, v. 73, n. 3, p. 718–746.

Vieira, K. M., Flores, S. A. M., Kunkel, F. R., & Campara, J. P. (2014). Níveis de Materialismo e Endividamento: Uma Análise de Fatores Socioeconômicos na Mesorregião Central do Estado no Rio Grande Do Sul. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 5(2).

Zerrenner, S. A. (2007). Estudo sobre as razões para o endividamento da população de baixa renda. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo

Publicado

2019-04-03

Cómo citar

Rodrigues, R., Clemente, A., Senff, C. O., & Silva, O. A. de P. da. (2019). Evidencias de la relación entre planeamiento financiero y propensión al endeudamiento personal. Escritos Contables Y De Administración, 9(2), 61–83. https://doi.org/10.52292/j.eca.2018.1390

Número

Sección

Artículos de investigación científica