Uma aplicação da heurística da ancoragem e ajustamento considerando diferentes estratos socioeconômicos no Município de Fortaleza-CE

Palabras clave: Heurística da ancoragem e ajustamento, estratificação socioeconômica, comportamento do consumidor

Resumen

A Economia Comportamental avança como alternativa à abordagem mainstream econômica, pressupondo que a racionalidade limitada dos agentes os conduz a regras simplificadoras na tomada de decisão, as heurísticas. O objetivo deste trabalho foi analisar os efeitos da heurística da ancoragem e ajustamento em estimativas numéricas de itens de consumo entre os estratos socioeconômicos de indivíduos fortalezenses. Para tanto, realizou-se uma pesquisa empírica com análise posterior nos moldes estatísticos propostos por Jacowitz e Kahneman. Os resultados indicaram uma grande influência do efeito ancoragem nas decisões desses agentes. O Estrato Baixo foi mais influenciado pelas âncoras que o Médio, que sofreu maior influência que o Alto. Concluiu-se que a estratificação socioeconômica afetou as estimativas numéricas dos indivíduos no ambiente de consumo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP). (2016). Critério Brasil 2015 e atualização da distribuição de classes para 2016. Relatório do Comitê do Critério de Classificação Econômica Brasil. Disponível em http://www.abep.org/criterio-brasil. Acesso em: 23 set. 2017.

Bezerra, J. M. F.; Leone, R. J. G. (2013). Efeito ancoragem e relações de consumo: um estudo com produtos da cesta básica. Revista Ambiente Contábil, 5(2), 68-85.

Chauvel, M. A.; Mattos, M. P. de A. (2008). Consumidores de baixa renda: uma revisão dos achados de estudos feitos no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 6(2),1-17.

Dorow, A. et al (2010). A heurística da ancoragem e a tomada de decisão sob risco em investimentos imobiliários. Contabilidade Gestão e Governança. Brasília, 13(3), 85-101.

Epley, N.; Gilovich, T. (2005). When effortful thinking influences judgmental anchoring: differential effects of forewarning and incentives on self-generated and externally provided anchors. Journal of Behavioral Decision Making, 18(3), 199-212.

Hoffmann, R. (2006). Estatística para economistas. São Paulo: Cengage Learning.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2013). Área e densidade demográfica da unidade territorial. Disponível em https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1301. Acesso em: 22 ago. 2018.

Jacowitz, K. E.; Kahneman, D. (1995). Measures of anchoring in estimation tasks. Personality and Social Psychology Bulletin, 21(11), 1161-1166.

Kahneman, D. (2012). Rápido e devagar: duas formas de pensar. Rio de Janeiro: Objetiva.

Kahneman, D.; Tversky, A. (1979). Prospect Theory: an analysis of decision under risk. Econometrica, 47(2), 263-291.

Kamakura, W. A.; Mazzon, J. A. (2013). Estratificação socioeconômica e consumo no Brasil. São Paulo: Blucher.

Luppe, M. R.; Angelo, C. F. (2010). As decisões de consumo e a heurística da ancoragem: uma análise da racionalidade do processo de escolha. RAM-Revista de Administração Mackenzie, 11(6), 81-106.

Luz, M. R. S.; Fracalanza, P. S. (2013). A gênese do indivíduo e o indivíduo da gênese: uma abordagem multidisciplinar acerca do papel da ideologia cristã nas origens do homem (econômico). Economia, Brasília, 14(1A), 189-210.

Samson, A. (2015). Introdução à economia comportamental e experimental. In A. M. Bianchi & F. Ávila (Orgs.). Guia de economia comportamental e experimental. Disponível em http://www.economiacomportamental.org/guia-economia-comportamental.pdf

Sbicca, A. (2014). Heurísticas no estudo das decisões econômicas: contribuições de Herbert Simon, Daniel Kahneman e Amos Tversky. Estud. Econ., São Paulo, 44(3), 579-603.

Scalon, C.; Salata, A. (2012). Uma nova classe média no Brasil da última década? o debate a partir da perspectiva sociológica. Revista Sociedade e Estado, Brasília, 27(2), 387-407.

Silva, E. M. da; Gonçalves, V. & Murolo, A. C. (2018). Estatística (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Simon, H. A. (1955). A behavioral model of rational choice. The Quarterly Journal of Economics, 69(1), 99-118.

Simon, H. A. (1990). Invariants of human model. Annual review psychology,41(1), 1-20.

Thaler, R. (2018). From cashews to nudges: the evolution of behavioral economics. American Economic Review, 108(6),1265-1287.

Tronco, P. B. et al. (2019). Heurística da ancoragem na decisão de especialistas: resultados sob teste de manipulação. Revista de Administração Contemporânea, 23(3), 31-350.

Tversky, A.; Kahneman, D. (1974). Judgment under uncertainty: heuristics and biases. Science, 185(4157), 1124-1131.

Publicado
2021-02-08
Cómo citar
Pereira, O., & Martinelli Junior, O. (2021). Uma aplicação da heurística da ancoragem e ajustamento considerando diferentes estratos socioeconômicos no Município de Fortaleza-CE. Estudios Económicos, 38(76), 123-145. Recuperado a partir de https://ojs.uns.edu.ar/ee/article/view/1980
Sección
Artículos